terça-feira, 8 de setembro de 2009

Tenho muitas coisas mal resolvidas. Cartas a responder, palavras nunca ditas, sentimentos nunca sentidos, enfim, todo tipo de assuntos pendentes. Possuo uma dívida eterna comigo mesmo, dívidas esta que eu procuro, através de todas as maneiras, quitar. Mas parece que é impossível. Como num daqueles quebra-cabeças que falta uma peça, e você tenta num impulso infantil de querer resolver algo de qualquer maneira, substituir a peça ausente por qualquer outra do quebra-cabeças. Mas isso é impossível. A peça, assim como todo sentimento, é único e insubstituível. O que pode ocorrer são apenas meras semelhanças, como entre o desamor e o desprezo, mas nada que possa vir a preencher a lacuna deixada por algo que nunca existiu.

- Você sofre de antropofagia sentimental crônica. Sim, sim. Daí explica-se a constante sensação de vazio em seu estômago e o estado de sonolência nas horas solitárias do dia. Todas as horas são solitárias? Sim, senhor, talvez a melancolia das multidões cause em você essa solidão. Paradoxal? Com certeza, mas se fosse coerente não seria uma patologia, certo? Assim que houver um tratamento adequado, você será avisado, senhor. Passar bem.

2 comentários: